sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Infraestrutura de cidades



Ministério das Cidades vai investir quase R$ 1 bilhão em obras de saneamento em quatro estados




O Ministério das Cidades anunciou no dia 29 de dezembro o investimento de R$ 951 milhões em obras de saneamento nos estados do Espírito Santo, Pernambuco, Goiás e Rio Grande do Sul. Os recursos virão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) receberá R$ 312,49 milhões para obras de esgotamento sanitário e abastecimento de água nos municípios de Recife, Petrolina, Jaboatão dos Guararapes, Ipojuca, Garanhuns, Amaraji, Alto Capibaribe, Caetés e Camaragibe. Já a Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan) investirá R$ 63,56 milhões em quatro projetos de esgotamento sanitário nos municípios de Guarapari, Nova Venécia e Manguinhos, além de obras de desenvolvimento institucional.


Para o Rio Grande do Sul, a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) contará com o repasse de R$ 210,56 milhões em nove operações de obras de sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário. Os municípios que receberão as obras serão Imbé, Tramandaí, Xangri-lá, Capão da Canoa, Gravataí, Pedras Altas e Rio Grande.

Por fim, a Companhia de Saneamento de Goiás (Saneago) poderá realizar duas obras de ampliação do sistema de abastecimento de água em Anápolis e Aparecida de Goiânia, cujos investimentos somam R$ 379,31 milhões.

“Esse investimento que estamos celebrando, no último dia do ano, é muito representativo. Existe uma determinação do presidente Temer, e um esforço grande de nossa parte, para que os municípios sejam contemplados com obras na área de saneamento, e com isso, iniciarmos um ano de 2018 com investimentos, obras e melhorias na qualidade de vida dos brasileiros”, disse Alexandre Baldy, ministro das Cidades.

domingo, 26 de novembro de 2017

Dinheiro assegurado



FGTS investirá R$ 330 bilhões em habitação, saneamento e infraestrutura nos próximos quatro anos





O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou na última semana o orçamento dos próximos quatro anos, que prevê mais de R$ 330 bilhões para investimentos em habitação, saneamento e infraestrutura. A medida pretende beneficiar cerca de 144,7 milhões de pessoas, além da criação de 6,7 milhões de postos de empregos.

De acordo com o conselho, apenas para o ano de 2018 serão mais de R$ 85,5 bilhões para os setores operacional, financeiro e econômico do FGTS, enquanto para os anos de 2019 e 2020 será de R$ 81,5 bilhões por ano, além de R$81 milhões previstos para 2021. Vale destacar que o orçamento de 2017 foi de R$ 77,5 bilhões.

 “É um bom orçamento. O Fundo está sólido e estável e continua sendo um importante instrumento para financiar o desenvolvimento do País”, afirmou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Entre os segmentos, é estimado para a área de habitação orçamento de R$ 69,4 bilhões em 2018, R$ 68 bilhões em 2019, mais R$ 68 bilhões em 2020, e R$ 67,5 bilhões em 2021. A maior porcentagem desses recursos é para a habitação popular, com pelo menos R$ 62 bilhões previstos até 2020 e R$ 62,5 bilhões para 2021. “Na habitação, a execução de recursos do FGTS já é boa e estamos mantendo os valores para os próximos anos”, destacou o coordenador-geral do FGTS, Bolivar Moura Neto.

Já para a área de saneamento e infraestrutura, o orçamento prevê R$ 6,8 bilhões em 2018 e R$ 6 bilhões por ano até 2021. A infraestrutura urbana, por sua vez, receberá em 2018 R$ 8,6 bilhões e mais R$ 7 bilhões por ano até 2021.

Para elaboração deste orçamento, o conselho considerou a estimativa de arrecadação do FGTS no período, destacando que pode exigir variações positivas ou negativa nos orçamentos, conforme as medidas implantadas pelo Governo.

Confira a seguir os valores divididos por regiões e estados:







quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Obras urbanas



Autorizadas obras de extensão da Linha 9-Esmeralda da CPTM, em São Paulo




O ministro do trabalho, Bruno Araújo, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, autorizaram na última quinta-feira (19) a execução de dois contratos para as obras de extensão da Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que atualmente liga Osasco ao Grajaú, até Varginha, na Grande São Paulo.

“A obra atenderá uma área importante da zona Sul da capital paulista. Os usuários que moram próximo a Varginha não precisarão mais pegar ônibus para acessar a Linha 9-Esmeralda”, destaca o secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni. “É o primeiro lote de recursos do Governo Federal na área, para a capital paulista, em vários anos, com investimentos que beneficiarão 120 mil pessoas”, acrescenta.

Está previsto um investimento de R$ 790 milhões para a obra de extensão, sendo R$ 500 milhões do Governo Federal. Além das duas novas estações, Mendes-Vila Natal e Varginha, será realizada a implantação do Sistema de Integração ao Centro de Controle Operacional (CCO) do trecho de 4,5 km em construção e também a sinalização das vias, com custo total de R$ 91,8 milhões.

O Consórcio Integração, formado pelas empresas Spavias Engenharia e Telar Engenharia e Comércio, foi um dos vencedores dos contratos, com valor de R$ 49,3 milhões e prazo de 18 meses, além dos seis meses de operação assistida. Já o segundo contrato está sob responsabilidade da Alstom Brasil, com prazo de 12 meses e valor de R$ 42,5 milhões.

O recurso autorizado pelo Ministério das Cidades é proveniente do Pacto da Mobilidade criado pela Portaria nº 223 de 24 de abril de 2014, com o objetivo de auxiliar na acessibilidade e mobilidade dos moradores da região sul para o centro da capital paulista.

A Linha 9-Esmeralda possui conexão com a Linha 5-Lilás do Metrô, na Estação Santo Amaro, com a Linha 4-Amarela, do Metrô, na Estação Pinheiros, e com a Linha 8-Diamente da CPTM, nas estações Osasco e Presidente Altino, atendendo 570 mil usuários diariamente. Com as obras de extensão este número pode ter um acréscimo de 110 mil usuários.
Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb